sábado, 28 de fevereiro de 2015

Casa Museu de Arte Sacra da Ordem Franciscana Secular

País: Portugal
Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Rua Gomes Freire nº 27, Ovar, perto da Igreja Matriz.
Museu fundado pela Ordem Terceira de São Francisco, instituição criada em Ovar em 1660.
O imóvel foi adquirido em 1780, destinada originalmente a arrecadar as alfaias da Ordem.
Em 1882, a fachada foi revestida com curioso revestimento azulejar em azul e manganês.
Em 1942 foi-lhe acrescentada um piso superior.
Foi inaugurada como núcleo museológico a 17 de fevereiro de 1973.
A fachada ostenta, ao centro, o brasão da Ordem.
Incide na vertente religiosa ovarense, nomeadamente nas imagens em tamanho natural dos principais santos seguidores do Apóstolo de Assis, que são utilizadas nas procissões franciscanas, uma vez por ano, em monumental procissão na cidade. Destaque para a imagem de Nossa Senhora da Conceição, datada do século XVIII.
Alberga ainda diversas peças de arte sacra, datadas entre os séculos XV e XX, como ornamentos, trajes, paramentos, alfaias de culto, pinturas, porcelanas e outras curiosidades religiosas.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Fonte dos Pelames

País: Portugal
Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Rua Dr. António José de Almeida, Ovar.
Está inserida no Parque Urbano da cidade.
O topónimo provém do lugar onde outrora existiram tanques de curtume de courama.
A nascente de água só foi descoberta, ao retirarem pedra do local, para uma obra vizinha.
A fonte foi erguida em 1871. A sua água férrea era na época, muito apreciada pelas qualidades medicinais.
Em 1960 foi totalmente reconstruída.
Em 2012, no âmbito da construção do parque urbano, foi alvo de requalificação. Data deste período a remoção do gradeamento.
Outrora, os seus tanques eram muito disputados pelas lavadeiras locais.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Palheiros de Cortegaça

País: Portugal
Concelho: Ovar
Freguesia: Cortegaça

Conjunto de palheiros situados ao longo da praia de Cortegaça.
Habitações típicas de pescadores.
Inicialmente, eram construídas sobre estacaria de madeira, devido ao terreno arenoso que não permitia a sua edificação diretamente no solo. Além de que resistia às violentas tempestades de areia e possibilitava a subida das marés.
A estacaria era aproveitada também para guardar os barcos e utensílios de pesca.
Outrora, a cobertura era feita com palha ou junco, e daí a origem o seu nome.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Cais da Ribeira (Ovar)

País: Portugal
Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Lugar da Ribeira, Ovar, situado na ria de Aveiro. 
A sua origem remonta a 1754, sendo utilizado como intermediário do comércio entre Aveiro, Porto e outras terras do interior. 
Era muito frequentado por passageiros e mercadorias.
Serviu e ainda serve, ao transporte do sal fabricado nas salinas da região.
Neste local encontram-se carcaças de barcos mercantéis, as quais deram vida, cor e movimento, até cerca de 1980, num vai-e-vem entre as marinhas de sal em Aveiro e as indústrias do sal ainda instaladas no cais.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Capela da Misericórdia

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Rua Dr. Francisco Zagalo, Ovar, situado junto ao Hospital.
A 11 de Novembro de 1896, o Padre João de Oliveira Saborino mandou construir um colégio para meninas pobres da paróquia, que o doou às irmãs Doroteias. O colégio-asilo abriu a 21 de Outubro de 1897, gerido pelas irmãs do Sagrado Coração de Jesus e Maria. Era sua diretora a madre Ana da Silva Barbosa.
A capela foi construída em 1909/10, a expensas do Colégio das Doroteias. 
Trata-se de uma capela de grande dimensão e linhas sóbrias, de planta longitudinal composta por nave e capela-mor, volumetricamente distintos.
A fachada principal ostenta no topo, os Sagrados Corações de Jesus e Maria, em cantaria, enquadrados por fita com laços exibindo a inscrição SOLI DEO HONOR ET GLORIA. 

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Fonte da Vila

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Rua Alexandre Herculano, Ovar.
Fonte pública construída em finais do século XIX, da autoria de Joaquim de Araújo e Silva.
Outrora, existia neste local, um pequeno recinto onde as pessoas conviviam enquanto enchiam as bilhas.
Ostenta um registo azulejar com uma quadra alusiva à utilidade da água: 

Água pura e cristalina,
Fresquinha de consolar, 
Vem de ti p’rós nossos lábios, 
Mata a sede a quem passar.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Ponte Internacional

País: Portugal e España
Concelhos: Valença e Tui


Ponte sobre o rio Minho.
Faz parte do património histórico das duas localidades fronteiriças – Valença e Tui.
Ponte metálica rodoferroviária construída em 1884, mas somente inaugurada a 25 de Março de 1886.
Durante mais de um século, foi a única travessia do rio Minho.
A estrutura foi concebida pelo engenheiro espanhol Pelayo Mancelo y Agreda, que se inspirou no modelo de Eiffel.

Fonte da Mota

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Rua Alexandre Herculano, Ovar.
É também conhecida por Fonte da Samaritana.
Deve o seu nome a uma das sucessivas proprietárias.
Fonte pública construída no século XIX, da autoria de Joaquim de Araújo e Silva.
Possui um registo azulejar com uma quadra alusiva à utilidade da água, colocada em pleno século XX: 

Pobre ou rico, isso que importa?
Dá-lhe a todos de beber.
Canta, canta eternamente,
Não te canses de correr.

Pinhal de Ovar

Concelho: Ovar
Freguesias: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã; Maceda, Cortegaça; e Esmoriz


Mata atlântica situada no perímetro florestal das Dunas de Ovar.
É o pulmão do concelho.
A sementeira e a plantação de várias espécies vegetais, remonta ao período medieval, como forma de suster as areias que, impelidas pelo mar e pelo vento, avançavam sobre as terras de cultura.
A partir da década de 1710, começaram os esforços para cercar Ovar, a norte e a poente, por uma grande mancha de pinhal, cuja exploração e manutenção ficou a cargo dos poderes públicos.
Durante o século XIX, muitas e largas áreas acabaram por ser vendidas ou aforadas pelo município.
A partir de 1919, o então presidente da Câmara Municipal de Ovar, Pedro Chaves, resolveu sujeitar todos os terrenos arenosos na posse do município ao regime florestal.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Casa Museu Júlio Dinis

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Rua Júlio Dinis nº 81, em frente ao Jardim dos Campos, Ovar.
Está instalado numa casa setecentista, de feição popular e planta retangular, reconstituição do interior da casa vareira tradicional. O edifício está classificado como Imóvel de Interesse Público desde 25 de Junho de 1984.
Em 1989, o imóvel foi cedido à Câmara Municipal com o propósito de o adaptar a casa-museu e em 1996 foi inaugurado. Recentemente foi remodelado.
Nesta pequena casa viveu durante algum tempo, o romancista Júlio Dinis. Foi neste local que escreveu parte de As Pupilas do Senhor Reitor e de A Morgadinha dos Canaviais. Deve a sua vinda para Ovar a fim de se curar da tuberculose que tão prematuramente o apanhou.
O museu alberga, para além de uma biblioteca dinisiana, mobiliário (destaque para um pequeno oratório rococó), utensílios e objetos pessoais do escritor, e etnografia ovarense. 

Fonte do Hospital

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Largo dos Combatentes, Ovar.
É também chamada de Fonte dos Combatentes.
Deve o seu nome por antigamente ter estado integrada no recinto do então Hospital que funcionou na atual Escola dos Combatentes.
Monumental fonte datada do primeiro terço do século XIX, em estilo neoclássico. A sua construção deve-se a João Maria d’Abreu Castelo Branco, conforme o atesta o letreiro com inscrição latina exibida no espaldar: Ut agua ista bella pluat Joanues d’Abreu Castello-Branco, hujus Opfidi Pretor cum Senaiu Curabil.
O espaldar é cingido por pilastras que sustentam um entablamento, sobre o qual assentam pináculos, dos lados, na prumada das pilastras, e ático rematado por urna campaniforme decorada, ao centro. No topo, em pedra-de-Ançã, avultam as armas nacionais da época do Reino Unido de Portugal e Brasil.
O tanque, de planta retangular, é elevado por três degraus.
Possui escadaria que se desenvolve em patamares, com bancos corridos rasgados na espessura das guardas.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Fonte de Júlio Dinis

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Lugar do Casal, Ovar.
É também conhecida por Fonte do Casal.
Encontra-se situada no extremo da requalificação das margens do rio Cáster, junto a uma antiga fábrica de papel (atual Escola de Artes e Ofícios) e de uma antiga ponte.
Reconstruída em 1940, beneficiou da bela arte de azulejaria, exibindo duas imagens da paisagem envolvente, bem como um terceiro painel com a figura do escritor Júlio Dinis, pintadas na fábrica Aleluia em Aveiro.
Em 2011, com a requalificação das margens do Cáster, beneficiou de obras que lhe deram o aspeto atual. 

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Praia do Furadouro

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Furadouro.
Praia muito famosa.
É a maior do concelho de Ovar.
Bastante ventosa, com um longo areal e um mar agitado.
Tem vastas extensões de dunas, com ligação a zonas florestais de pinhais, constituindo uma das maiores áreas do género do litoral português.
Ao longo da história decorreram aqui alguns naufrágios.
Desde a década de 1990 que são efetuados constantemente trabalhos de reconstrução e requalificação da zona costeira, bastante atingida pela erosão causada por sucessivos temporais, existindo atualmente um largo passeio pedonal ao longo do areal.
Na praia ainda é possível encontrar alguns barcos de pesca, com as suas caraterísticas proas levantadas, utilizados na tradicional arte da xávega, embora as juntas de bois que arrastavam as redes tenham sido substituídas por tratores.
Na parte norte da praia é habitual a prática de nudismo.
Atrai todos os anos milhares de veraneantes.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Capelas dos Passos

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Centro da cidade de Ovar.
Estão ligadas às cerimónias da Quaresma.
Classificadas como Imóvel de Interesse Público desde 1949.
Terra de arreigadas tradições religiosas, a cidade de Ovar tem, espalhados pelo seu centro histórico, sete pequenas capelas de arquitetura simples em estilo rococó, ao longo das quais se percorre a Via-sacra, que são um dos símbolos da urbe. Ilustram as diferentes cenas da Paixão de Cristo, em imagens muito expressivas e belas.
A primeira, evocando o Pretório, encontra-se situada no interior da matriz, na nave esquerda. Depois, ao longo da cidade encontram-se mais cinco pequenas capelas, adossadas a edifícios de habitação: o Passo do Horto ou do Senhor Caído por Terra, no Largo do Palácio da Justiça; o Passo do Encontro, situado na Rua Alexandre Herculano; o Passo do Cirineu, na Rua Cândido dos Reis; o Passo da Verónica, na Praça da Republica; o Passo das Filhas de Jerusalém, no Largo Mouzinho de Albuquerque (Praça das Galinhas); e por fim, ao cimo de uma grande escadaria encontra-se a monumental Capela do Calvário situada no Largo dos Combatentes da Grande Guerra. Os cinco oratórios autónomos apresentam porta em cantaria lavrada e os seus interiores estão revestidos de talha dourada rococó e pinturas murais. As composições retabulares representam passos da Paixão de Cristo.


A devoção dos Passos em Ovar data de 1572.
Em 1642, o Papa Inocêncio X, concedeu à respetiva confraria, um Breve de Indulgências.
No século XVIII, foi concedido à Confraria o real da água, imposto real do vinho, para a construção das capelas.  
Entre 1748 e 1756 foram construídas as atuais capelas, por iniciativa do Padre Manuel de Resende. Vieram substituir as anteriores capelas dos Passos, simples barracas de madeira, portáteis. Eram seus protetores nessa época, os condes da Feira, que lhe ofereceram um riquíssimo Relicário Processional.

Hospital Velho

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Largo dos Combatentes, Ovar.
É também conhecido por Quartel.
Alberga o Centro Escolar dos Combatentes.
Edifício concluído em 1814. Forma um conjunto austero, composto por uma fachada de seis janelas retangulares e de uma sacada média, sobre a qual se encontra o brasão nacional, em escudo oval, com coroa e efeitos decorativos de palmas, em pedra de Ançã.
No centro do edifício existe um pequeno pátio interior, retangular, com arcadas de traçado Asa-de-Cesto.
O edifício já funcionou como Paços do Concelho, Hospital, Tribunal Judicial, Repartição de Finanças, Quartel Militar e ainda como sede de vários outros serviços públicos.
É, desde 1959, a maior escola primária de Ovar.
Recentemente, o edifício foi reabilitado e acrescentado uma nova volumetria, inaugurada em setembro de 2012.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Carnaval de Ovar

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


No centro da cidade de Ovar, variável de acordo com a Páscoa.
O Carnaval de Ovar é denominado como “A Vitamina da Alegria”.
É um dos elementos de maior projeção a nível nacional e até internacional. Todos os anos, atrai muitos milhares de visitantes nacionais e estrangeiros.
Funciona como uma autêntica indústria cultural e polo de atração turística, sendo uma das tradições mais valorizadas e enraizadas na cultura vareira.
Remonta à década de 1940, quando vários bairros de Ovar se organizaram em grupo, enchendo o centro da então vila, com os seus carros. Era um carnaval sujo, marcado pelos exageros, violência e imundice, numa batalha campal entre camiões de diferentes bairros.
Na década de 1950 surge finalmente o carnaval organizado, com a finalidade de alegrar e atrair turistas.
A partir da década de 1960, as mulheres passam a participar no desfile, passando a rainha a ser uma mulher, em vez de um homem disfarçado desta.
Na década de 1980 aparecem as primeiras escolas de samba.
Em 1990 aparece a primeira maquete feita de espuma, surpreendendo pela sua perfeição e originalidade.
Em 1992, os grupos foram divididos em duas categorias: carnavalesco e passerelle.

Muitos grupos iniciam o seu processo criativo em meados de outubro.
Oficialmente, a abertura do Carnaval de Ovar começa cerca de um mês antes do Carnaval.
Três semanas antes do Domingo Gordo, dá-se a chegada do Rei, com a entrega simbólica da chave da cidade, pelo presidente da Câmara aos novos monarcas. Estes são representados por pessoas locais.  
No domingo seguinte, sai à rua o Carnaval Infantil, um dos momentos altos do Carnaval de Ovar. Crianças de 27 escolas e instituições do concelho desfilam trajados a rigor.
A noite Dominó decorre na quinta-feira, também conhecida por Noite de Quim Barreiros, artista que anima esta noite há várias décadas. O Dominó é a figura mais popular e um dos símbolos do Carnaval de Ovar.
No sábado, à noite, é a vez das escolas de samba desfilarem.
O Grande Corso Carnavalesco sai no Domingo Gordo e na terça-feira seguinte. São 24 grupos divididos por 4 escolas de samba, 14 carnavalescos e 6 de passerelle que desfilam pela Avenida Sá Carneiro.
Na segunda-feira de carnaval, acontece Noite Mágica, com concertos e animação com DJ’s, até ser dia.

Estação de Ovar

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã


Largo da Estação, Ovar.
Edifício constituído por três corpos, sendo o central mais elevado.
Faz indiscutivelmente parte do extraordinário roteiro que representa todo o património arquitetónico ao nível da azulejaria, em muitas das antigas estações dos caminho-de-ferro ao longo do país, com particular destaque nas linhas do Norte.
Em Ovar, a estação conta com 23 painéis temáticos, utilizando diversas composições de padrões estampilhados, monocromáticos e policromos, datados de 1915 a 1919. Os seus autores são Licínio Pinto e Francisco L. Pereira (pintores/ceramistas da região de Aveiro), a quem se devem os primeiros revestimentos em azulejo utilizados nas estações de caminho-de-ferro. Os 14 painéis que decoram a fachada principal são, na sua maioria, de Licínio Pinto, e foram produzidos na Fábrica da Fonte Nova, em Aveiro, enquanto os da gare são cópias realizadas em 1980 no Atelier Razamonte, em Vila Nova de Gaia.
Os painéis, de base azul, representam cenas de caráter etnográfico, tais como trajes regionais, atividades tradicionais, paisagens e arredores de Ovar.

Barco do Mar

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Embarcação típica da praia do Furadouro.
É conhecida pelas suas caraterísticas proas levantadas e pelas suas faixas coloridas.
É utilizada na tradicional Arte da Xávega (ou de arrasto), embora as juntas de bois que arrastavam as redes tenham sido substituídas por tratores.
Há quem veja neste tipo de embarcação a prova, diferida no tempo, de uma colonização oriental, eventualmente fenícia ou mais recuada no tempo.
É possível ver estas embarcações na praia Norte do Furadouro ou no centro de uma rotunda junto à discoteca Fénix.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Ovar

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Cidade situada a 36 km a norte de Aveiro e a 40 km a sul do Porto.
Encontra-se no extremo norte da ria de Aveiro, numa zona húmida, plana, sem grandes ondulações e aberta, com clima ameno e estável.
O casario espraia-se a 15 metros de altitude, atravessada pelo rio Cáster e pelos ribeiros da Graça e do Lajes.
O centro histórico é composto por um conjunto invulgar de casas revestidas a azulejos datados dos séculos XIX e XX que fazem a localidade ostentar o título de Cidade Museu do Azulejo. Casas multicolores que contrastam com a singeleza das cantarias, que as tornam únicas. Arte portuguesa que em Ovar com as suas caraterísticas próprias, tal como noutras terras, tornou-se muito frequente através dos “brasileiros”, emigrantes que voltavam do Brasil e foram introduzindo a utilização do azulejo como material impermeável para o revestimento dos exteriores contra os ares marítimos. Com o intuito de preservar este património, a Câmara Municipal de Ovar criou o Atelier de Conservação e Restauro do Azulejo.
Está intimamente ligada ao mar, como testemunha a figura de Neptuno (Deus dos Mares) encimando um belo chafariz no centro da urbe.
Terra de migrantes (dando origem a localidades como Vieira de Leiria) e emigrantes, daqui saíram dos maiores contingentes nacionais para o Brasil, especialmente no século XIX e princípios do século XX.
Chamava-se antigamente Var e O Var, e daqui os apelativos varino e vareiro aplicados às gentes e às coisas respeitantes a Ovar.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Capela de Nossa Senhora do Desterro

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

               Largo da Senhora do Desterro, Arada.
É um dos mais importantes e antigos templos do concelho. Pensa-se que foi construída em 1663, conforme atesta uma pedra encontrada na reconstrução do século XX.
Inicialmente a ermida era muito pequena, não possuindo capela-mor, estando a sacristia situada atrás do último andar e com a porta principal virada a poente.
Em 1906 foi construída a torre sineira e em 1969 toda a fachada foi revestida a azulejos. 
O interior possui dois altares laterais e altar-mor dedicado ao Santíssimo Sacramento.
No largo da Senhora do Desterro encontram-se dois cruzeiros: um mais antigo construído em 1885 que substituiu um anterior muito rudimentar que se encontrava em mau estado, e um mais recente datado de 1955.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Capela de Santo António

Concelho: Ovar.
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã.

Praça da República, Ovar.
Templo maneirista. Começou a ser construída em finais do século XVII.
Entre 1767 e 1769 foi parcialmente reedificada, ficando com uma só torre.
Na primeira metade do século XX, sofreu algumas alterações que acabaram por lhe conferir o aspeto que hoje ostenta.
A fachada principal apresenta pilastras toscanas nos cunhais ligadas pelo entablamento que corta a base da empena. À esquerda da frontaria fica a torre sineira rematada com um coruchéu piramidal.
À reforma barroca deve-se o atual arco cruzeiro, de pilastras decoradas com almofadas corridas, e a capela-mor, com teto de caixotões de madeira. O retábulo principal, de madeira pintada a branco e ouro, é uma composição de talha do último quartel do século XVIII. No camarim encontra-se a imagem do padroeiro. 

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Chafariz Neptuno

País: Portugal
Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Largo da Família Soares Pinto, Ovar.
Foi o primeiro abastecimento de água pública na cidade, tendo sido inaugurado em 8 de julho de 1877, projeto do engenheiro oliveirense António Ferreira de Araújo e Silva.
Trata-se de um chafariz de grandes dimensões, em pedra de Ançã, protegido por quatro muretes com gradeamento em ferro, que o rodeiam, interrompidos por dois degraus semicirculares.
Da sua base destacam-se quatro gárgulas voltadas para reservatórios circulares, sendo composto por duas taças circulares sobrepostas.
Termina numa espécie de vaso em cujo topo assenta a figura de Neptuno, deus romano da água, patrono dos pescadores e dos barqueiros, e mais tarde Deus do Mar.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

“Homem com a Cabeça entre as Mãos”

Concelho: Ovar
Freguesia: União das Freguesia de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira Jusã

Situada no jardim do Cáster, Ovar.
Escultura em bronze e aço inoxidável, da autoria de José Rodrigues. Foi inaugurada a 12 de Fevereiro de 2002.
Eterniza um dos mais marcantes elementos culturais de Ovar – o Carnaval. Simboliza o período de metamorfose, o momento em que o ser humano se liberta, enlouquece e perde a cabeça. A zona espelhada, localizada na barriga, projeta a nossa imagem e coloca-nos no seu lugar.
No mesmo jardim encontra-se uma outra estátua alusiva ao Carnaval, erguida na primeira década do século XXI, em bronze, da autoria do mesmo autor.